Quando o livro acontece?

Houve uma época em que trabalhei em jornais e era possível ouvir o barulho das máquinas imprimindo enquanto fechávamos as notícias finais. Era incrível. Ouvir o papel ser puxado máquina adentro e sair com os textos, nossos textos, ali. Tinha esse desejo de ir na gráfica e acompanhar e pegar o livro. Não vai acontecer. Nesse. Mas sei que outros virão.
Segunda-feira chegou a confirmação de que a pré-venda do livro Sabendo que és minha começaria no dia seguinte, 22 de setembro de 2020 às 10h31. Junto à primavera. Meu ombro caiu um pouco de alívio mas, em seguida, volta a subir de tensão. Não sei precisar há quanto tempo estou imersa no luto. Não o meu, mas o da literatura. Pesquisar, escrever, apagar, escrever, editar. Meses falando sobre isso. Sobre dor e silêncio e solidão e saudades. Tudo contra o silenciamento desse coletivo de sentimentos. Teve um outro luto, o da entrega. No dia em que anexei o texto no e-mail e enviei para a editora bateu o luto. Diferente. Um vazio de que gritou é isto. É isto um livro. É isto uma escritora. Foi um dia muito intenso por muitas razões. Nem todas felizes. Foi um dia de coração partido na maternidade e coração restaurado na literatura. Numa época em que não podemos receber abraços, fui cercada por diversos deles. 


Foto de Paula Mello

Não sei quando o livro, de fato, acontece. Assim como meus leitores (<3) ainda não vi o livro. Nesse momento, ele ganha corpo na gráfica. Houve uma época em que trabalhei em jornais e era possível ouvir o barulho das máquinas imprimindo enquanto fechávamos as notícias finais. Era incrível. Ouvir o papel ser puxado máquina adentro e sair com os textos, nossos textos, ali. Tinha esse desejo de ir na gráfica e acompanhar e pegar o livro. Não vai acontecer. Nesse. Mas sei que outros virão. Voltando. Não sei mesmo quando o livro acontece. Tem o momento da ideia, das primeiras linhas, das primeiras leituras e dos arranjos. O livro aconteceu em mim por quase dois anos e agora está acontecendo na gráfica. Agora ele é, fora de mim. Independente. Não sei ao certo como terminar esse texto, mas não quis ignorar esse sentimento. Logo mais, volto pra ele.

Fabrina Martinez é leitora, jornalista e escritora. Nasceu em Campo Grande (MS) e mora em Marília, interior de São Paulo. Comtemplada pelo Edital PROAC Nº 17/2019 – Produção e Publicação de Obras de Ficção, Sabendo que é minha é seu primeiro livro e foi publicado pela Editora Jandaíra na primavera de 2020. Esse site é parte integrante do projeto. O livro está em pré-venda no site da Editora Jandaíra .
Compartilhe!
Deixe seu comentário

Leia mais em:

Leia Também

Texto sincerão sobre o Proac
14/01/2021
Texto sincerão sobre o Proac
Sobre 2020 e a publicação de Sabendo que és minha
31/12/2020
Sobre 2020 e a publicação de Sabendo que és minha
No começo, era um blog
24/11/2020
No começo, era um blog
Livros para quem quer escrever livros
06/10/2020
Livros para quem quer escrever livros
Assine gratuitamente a newsletter * Fabrina com F * e receba toda semana o puro suco dos blogs da década de 2000. Narrativas, anginas, digressões, resenhas e comentários feitos por uma mulher que escreve.
Fabrina Martinez - Escritora, poeta, jornalista.

Fabrina Martinez - Escritora, poeta, jornalista.

Proac